Comportamento organizacional é valorizado como diferencial nas empresas

cm_banner_lider


O
comportamento organizacional também é um diferencial profissional, assim como a formação e as aptidões técnicas. A razão é por estar diretamente ligado ao sucesso de uma instituição ou projeto.

Uma boa vivência acadêmica por exemplo, pode ser um diferencial  para o sucesso no ambiente empresarial. Mas, segundo profissionais de Recursos Humanos, ter apenas know how não é o bastante para as empresas do século XXI.

Muitos colaboradores são contratados por suas competências técnicas e demitidos pelas competências comportamentais”, afirma Maíra Tavares de Sousa, autora do artigo ‘A Chave do Sucesso Organizacional.


Segundo Maíra, o motivo para o comportamento organizacional ser cada vez mais valorizado está no fato de o esforço necessário para os profissionais absorvê-los ser muito maior em relação a questões técnicas. “O comportamento humano é complexo e, portanto, complicado de ser mudado.

Em compensação, o aprendizado técnico é muito mais fácil de ser assimilado. Não adianta uma pessoa ser competente, se não concordar com as regras que norteiam e apoiam o funcionamento da organização”, esclarece.

Fatores comportamentais valorizados

  • Conhecimento: todo as informações e sabedoria sobre a atividade que exerce;

  • Habilidade: know how (transformar teoria em prática bem sucedida);

  • Atitude: como a pessoa age diante das situações cotidianas do trabalho. A iniciativa é sempre esperada.

  • Valores: identificação com a cultura organizacional e filosofia da empresa;

  • Entorno: é um fator externo composto pelo ambiente, ferramentas e recursos disponibilizados pela empresa.

Coaching x Comportamento Organizacional

Problemas de comportamento são frequentes  no ambiente de trabalho. Por isso, muitas organizações estão buscando soluções por meio do trabalho de coaches. O profissional pode representar um apoio e ser um aliado para promover o desenvolvimento pessoal dos colaboradores.

De acordo com a Sociedade Latino Americana de Coaching (SLAC Coaching), por meio do processo de coaching é possível obter melhorias no desempenho dos colaboradores. Com o auxílio do coach as pessoas conseguem entender melhor seus recursos internos e externos e promover mudanças tanto em suas vidas pessoais quanto profissionais.


Dessa forma, o
coaching colabora também com o sucesso da organização, por meio da  percepção sobre os membros do time, a frequente orientação e aconselhamento são essenciais.

O trabalho é realizado no sentido de fazer com que o comportamento de cada um seja capaz de representar o todo. O resultado é um grupo capaz de superar conflitos e atingir as metas da empresa.


6 dicas para vender mais em tempos de crise

cm_estrategia

A queda nas vendas do comércio varejista está assustando os lojistas. Para se ter uma ideia, o faturamento das lojas caiu 10%, na comparação com o mesmo período de 2015, segundo a consultoria GFK.

Desde 2010 não há uma redução tão forte na venda de bens duráveis como eletrodomésticos e eletrônicos. Os equipamentos de som e televisores são os que estão sendo menos vendidos nos últimos 16 meses, de acordo com o levantamento.

TV ainda é o eletrônico mais encontrado nas casas brasileiras

Mesmo com as pessoas comprando menos, é preciso lembrar que os aparelhos de TV são os eletrônicos mais encontrados nos lares brasileiros segundo o último censo do IBGE. Dessa forma, é um produto que, mesmo em tempos crise, é sempre bom investir.

Além disso, os eletrodomésticos da linha branca como, por exemplo, a máquina de lavar também são sempre procurados pelos consumidores.

Dicas para melhorar as vendas em tempos de crise

Sua loja também está vendendo menos? Embora o momento seja de retração da economia, é possível dar a volta por cima e conseguir realizar mais vendas. Confira algumas dicas para vender mais durante a crise:

Nunca deixe de comprar produtos de qualidade

A crise pode estar impactando negativamente suas vendas, mas lembre-se: a economia é cíclica. Os tempos de crescimento econômico irão voltar, mais cedo ou mais tarde e, com eles, pessoas dispostas a consumir.

Um erro que alguns empresários cometem em fases de retração é deixar de investir em produtos de qualidade. Esse tipo de ação pode ter consequências desastrosas para a reputação de sua loja. E uma vez que a empresa perde a confiança do consumidor, é muito difícil reconquistá-la.

Fornecedor de credibilidade é fundamental

A escolha do fornecedor precisa ser muito criteriosa. Afinal, se os produtos que você comprar deles e revender em sua loja não forem de qualidade, o cliente ficará chateado é com a sua empresa.

Faça promoções para produtos encalhados

Descubra onde você está investindo, mas não está obtendo tanto retorno. Ao identificar esses produtos, faça promoções. Com o preço mais atrativo, a tendência é que eles voltem a ser comprados.

Melhore a experiência de compra na sua loja

A dica é se colocar sempre no lugar do consumidor. Faça uma decoração diferenciada e funcional em sua loja. Essa é uma das estratégias que podem fazer a diferença nesse quesito. Também pergunte sempre como foi a experiência de compra em sua empresa.

Encare o problema específico da sua loja

Os clientes visitam sua loja mas não compram? Encarar a realidade atual do seu empreendimento é o primeiro passo para encontrar soluções eficazes.

Se as pessoas chegam ao seu ponto de venda é um bom começo. Afinal, você já sabe que o consumidor tem intenção de comprar determinado produto, mas não pode comprometer a renda (ou não quer). Então, oferecer descontos atrativos pode resolver o problema. Pense em promoções irresistíveis para fisgar seus clientes.

Analise sempre

Outra dica importante para contornar a crise é ter consciência dos seus pontos fracos e fortes. Dessa forma, você poderá administrar melhor seus recursos. Também facilita identificar mais facilmente oportunidades.

Estudo divulgado pelo British Council constata que, para brasileiros, aprender inglês possibilita melhores oportunidades no mercado de trabalho

Estudo divulgado pelo British Council constata que, para brasileiros, aprender inglês possibilita melhores oportunidades no mercado de trabalhoO que realmente motiva a classe média a estudar inglês? Isso é o que responde a pesquisa “Demandas de Aprendizagem de Inglês no Brasil” realizada pelo Instituto Data Popular a pedido do British Council. Segundo a maioria dos entrevistados, aprender o idioma aumenta não só as chances de conseguir um bom emprego, mas garante também  salários maiores.

Segundo a pesquisa, a principal demanda das empresas brasileiras é de conhecimento de inglês instrumental e conversação. No mundo dos negócios, o inglês fluente é indispensável. Já nos cargos de analista (ensino superior), a exigência  é de, pelo menos, inglês avançado.

Incentivo

Diante da necessidade do domínio de inglês, por parte dos colaboradores, existem empresas no Brasil que já investem em cursos de aprimoramento para seus funcionários. Mas, a pesquisa da British Council revela que é algo que ainda está engatinhando em nosso país.

A maioria das organizações ainda prefere trabalhar com parcerias com instituições de ensino de idioma para conseguir apenas descontos para seus empregados.  Mesmo com pouco incentivo, as escolas de idiomas ainda são, disparadamente, a primeira opção dos brasileiros quando decidem estudar uma segunda língua.

Confira os dados divulgados:

  • Curso de inglês: 87%
  • Professores particulares: 6%
  • Curso na empresa: 3%
  • Própria escola (Centro de Estudo de Línguas): 2%
  • Cursos online: 1%
  • Apostilas ou fascículos: 1%

Metodologia

O estudo também revelou que para os brasileiros, o contato pessoal com professores qualificados e, principalmente, o material didático são prioridades. De acordo com a pesquisa, 4 em cada 10 pessoas disseram que podem cancelar a matrícula definitivamente se o conteúdo de apoio for de baixa qualidade.

Com um público cada vez mais exigente, franquias do setor investem cada vez mais em pesquisas metodológicas de ensino. Para Bianca Way, diretora de Ensino do CCAA, instituição que há 55 anos desenvolve estudos para aprimorar na área, um ensino eficaz precisa proporcionar ao aluno a possibilidade de um aprendizado natural e gradativo. “Além disso é muito importante a consonância entre metodologia e material didático”, explica.

Em crescimento, setor de moda online atrai empreendedores

Dicas de marketing digital para revendedoras de lingerie

O setor de e-commerce é um dos que menos sofrem com a crise econômica no país. A estimativa é de crescimento de 18% este ano em relação a 2015, com faturamento total de R$ 56,8 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). Dentro do universo de e-commerce o setor de moda online se destaca, movimentando mais de R$ 150 bilhões no ano passado, de acordo com o Google Varejo. Apenas a categoria de moda e assessórios representa quase 15% de todo o mercado.

Com todas as perspectivas positivas, este setor está atraindo mais empreendedores, embora haja grandes players. O empresário Marco Sini acabou de colocar no ar a LivStorm, loja online de moda voltada para o universo skate, surf e streetwear. Flexibilidade, agilidade e baixo custo para criar e operar uma uma loja virtual são grandes vantagens do e-commerce em relação ás lojas tradicionais. Contudo, não basta apenas ter uma ideia e colocar no ar a loja para obter sucesso.

Ele conta que o projeto da LivStorm começou há cerca de um ano com o projeto de imersão, o estudo de mercado e o plano de negócios elaborado com supervisionamento dos consultores Topper Minds. Para avançar com o projeto, o empresário recrutou uma equipe de profissionais com experiência em projetos de comércio eletrônico. Os Stormes, como foram batizados, trouxeram para a LivStorm o conhecimento e expertise do setor.

Com todas as informações e estudos disponíveis, segundo Sini, a equipe conseguiu identificar uma oportunidade no mercado de desenvolver um negócio online que pudesse levar ao cliente serviços com valores agregados e “que não estivesse vinculado somente a preço a qualquer custo. Queremos entregar valor na experiência de compra… essa é nossa missão. Escutar os anseios e desejos dos clientes para com nossos produtos e serviços… essa é a nossa paixão”.

Um ponto a favor do projeto da LivStorme é que Marco Sini já possui vasta experiência no setor de moda. Inclusive, foi a partir desta experiência e do conhecimento dos gargalos do setor que o empresário resolveu criar a LivStorm. Marco Sini atuou durante anos como Private Label, desenvolvendo e fabricando coleções de produtos para licenciados de grandes marcas nacionais e internacionais.

A partir desta experiência, Marco Sini notou que a pressão dos licenciados das marcas pela redução de custos estava chegando ao limite, prejudicando a qualidade do produtos e colocando em xeque os valores e o posicionamento das grifes no mercado. A quantidade de revendedores até que o produto chegasse ao consumidor final fazia com que os fabricantes reduzissem a margem de lucro e as marcas abrissem mão da qualidade, prejudicando a sustentabilidade de todo o negócio.

“Diante desta realidade, iniciamos um projeto de parcerias (licenciamentos) direto com os proprietários das marcas, permitindo que pudéssemos comercializar boa partes dos produtos, desde sua fabricação até chegar no consumidor final”, conclui Marco Sini.

Lâmpada LED é solução inteligente para empresas

Lâmpadas de LED
A lâmpada LED tubular é considerada uma solução altamente econômica e durável e vem ocupando o espaço que durante muito tempo pertenceu às tradicionais lâmpadas incandescentes, cujos dias parecem estar contados nas prateleiras de lojas e supermercados.

Acessível sustentável, a tecnologia LED revolucionou o sistema de iluminação no mundo todo. No uso empresarial e comercial, o item é indispensável para enxugar o orçamento e proporcionar uma luminosidade poderosa e eficiente.

De acordo com pesquisas, o mercado de LED tende a crescer 45% anualmente até 2020. O crescimento já é bem evidente em todo o país: a iluminação inovadora é comprovadamente a melhor alternativa de enfrentar a crise de energia que o Brasil tem sofrido.

Inventores do LED ganharam Prêmio Nobel

Os cientistas japoneses Isamu Akasaki, Hiroshi Amano e Shuji Nakamura receberam o Prêmio Nobel de Física 2014 pela invenção do diodo emissor de luz LED.

Para os especialistas em Física, a iluminação LED é um verdadeiro divisor de águas no sistema de iluminação. Nos dias de hoje, aproximadamente 25% da energia elétrica mundial é destinada à iluminação. Sendo assim, a gradativa substituição de sistemas antigos por lâmpadas LED promoverá uma economia considerável.

Nove razões para sua empresa investir nas lâmpadas LED

  • Baixo custo de manutenção, em razão de sua alta durabilidade
  • Alta eficiência
  • Proporcionam até 80% de economia de energia em comparação com as soluções de iluminação tradicionais
  • Silenciosas, diferente das lâmpadas fluorescentes
  • A iluminação LED não emite radiação UV e não esquenta o ambiente
  • Ecologicamente corretas
  • Acionamento instantâneo
  • A lâmpada tubular LED não necessita de reatores para estabilizar a partida
  • Não possui metais pesados como chumbo e mercúrio na composição, dispensando a necessidade de um descarte especial

Iluminação inteligente deve ser prioridade no ambiente profissional

Empresas de todo o mundo têm buscado alternativas ecológicas e econômicas no gerenciamento de seu negócio. Além disso, as instituições tem se dedicado a disseminar o comportamento sustentável entre a força de trabalho. Criar o hábito de sempre apagar as luzes quando terminar o expediente, verificar a disposição e distribuição das lâmpadas e luminárias e conferir possíveis obstáculos que interfiram na difusão da luz (como divisórias, por exemplo) são algumas das medidas aplicáveis para economizar ainda mais na conta da empresa.

Cinco opções para empresas reduzirem tributos

Por “algo a mais”, plano de carreira atrai colaboradores

A crise está afetando grande parte das empresas e nessa hora a palavra de ordem é redução de custos. Contudo, uma forma de deixar os gastos menores que poucas empresas aplicam corretamente é o planejamento tributário. Sendo que estudos apontam que as empresas pagam até 34% de tributos sobre o lucro, mas todo empresário sabe que esses valores se mostram muito maiores se forem consideradas outras questões como encargos trabalhistas, taxas e outras obrigatoriedade.

Assim, se uma empresa pretende sobreviver à crise, é fundamental buscar reduções dentro de acordo com as frequentes alterações tributárias às quais se deve adaptar no país, administrando melhor seus tributos, obtendo maior lucratividade no seu negócio. Segundo o diretor executivo da Confirp Contabilidade Richard Domingos, “com a alta tributação no Brasil, além de terem de enfrentar empresas que vivem na informalidade, várias empresas quebram com elevadas dívidas fiscais. Assim, é salutar dizer que é legal a elisão fiscal”.

Existem várias formas de redução desses valores, assim, a Confirp listou algumas:

Planejamento tributário – São três os principais tipos de tributação: Simples Nacional, Presumido ou Real. O diretor da Confirp explica que “a opção pelo tipo de tributação que a empresa utilizará no próximo ano fiscal pode ser feita até o início do próximo ano, mas, as análises devem ser realizadas com antecedência para que se tenha certeza da opção, diminuindo as chances de erros”. Importante ressaltar que cada caso deve ser analisado individualmente, evidenciando que não existe um modelo exato para a realização de um planejamento tributário já que existem várias variáveis.

“De forma simplificada, num planejamento tributário se faz a análise e aplicação de um conjunto de ações, referentes aos negócios, atos jurídicos ou situações materiais que representam numa carga tributária menor e, portanto, resultado econômico maior, normalmente aplicada por pessoa jurídica, visando reduzir a carga tributária”, explica Domingos.

Recuperações tributárias – Dentro do complexo sistema tributário brasileiro, muitas vezes ocorrem cobranças de formas indevidas, levando a uma elevação considerável da carga tributária, assim, a empresa deve estar atenta aos créditos que tem direito, e isso dependerá muito de sua área de atuação. Dentre os impostos que podem ser recuperados estão pagamentos referentes ao PIS/Pasep, Cofins, IPI  e ICMS, dentre outros, que contribuirão para a redução do montante dos tributos. Outra questão que se deve levar em conta é a compensação dos tributos recolhidos indevidamente.

Deve-se contratar empresas de consultoria jurídica e tributária para levantar possíveis créditos, que não foram considerados na apuração mensal por falta de norma infralegal. Isso porque os créditos podem ser questionados no âmbito administrativos pelo fisco, devendo ser considerados todos os riscos antes de qualquer decisão. Deve-se tomar cuidado com muitas empresas que oferecem esse tipo de serviço apenas com o interesse de ter comissão imediata sobre redução ou compensação de tributos propostos. Ficando o empresário com todo o risco da operação.

Incentivos fiscais – As empresas podem utilizar ferramentas que incentivo fiscal, que são instrumentos que visam o desenvolvimento econômico de determinada região ou certo setor de atividade. Para isso, ocorre a ação de redução da receita pública de natureza compulsória ou a supressão de sua exigibilidade.

São várias as formas que as empresas podem utilizar essa forma de incentivo, indo desde apoio a ações de terceiros, como esporte e cultura, até mesmo leis que visam crescimento regionais e reduzem consideravelmente os valores a serem pagos, contudo, também é necessário nesses casos a preocupação de um acompanhamento de especialista.

Enquadramento correto na Classificação Nacional de Atividades Econômicas –  CNAE – A maioria das empresas não se atenta, mas desde sua criação já estão comprometidas com um erro primordial que é o fato de seus cadastros nos entes governamentais não reflitam suas reais atividades, um dos erros que leva a empresa a ter sérios riscos fiscais é o CNAE inadequado, e o pior, só perceberão esse erro quando começam a aparecer os problemas. Mas, mas que isso, escolher o CNAE representará na carga tributária a pagar.

Outra questão muito importante é que quando uma empresa estiver no CNAE errado, as chances dos impostos estarem errados, com alíquotas divergentes, são muito grandes, e em caso de constatação disso em uma fiscalização, o resultado poderá ser pesadas multas.

Redução do FAP – O FAP é um índice aplicado sobre a Contribuição do Grau de Incidência de Incapacidade Laborativa decorrente dos Riscos Ambientais do Trabalho, e representa uma boa parcela dos gastos trabalhistas das empresas, podendo variar dependendo do número de ocorrências e ramo de atividade.

Contudo, o que muitos empresários não sabem é que os valores podem ser minimizados, sendo possível entrar com recursos administrativos para revisão da cobrança desses valores pelo Governo e garantir uma diminuição de custos, além de aproveitar para planejar-se para o futuro, com essa despesa a menos.